DIA MUNDIAL DA ÁGUA

Fazendo a nossa parte no Dia Mundial da Água: nutrição animal sustentável para conservar os recursos mais valiosos do mundo.

A água é o recurso mais valioso do nosso planeta. Enquanto cada habitante da Alemanha consome uma média de 121 litros de água por dia, 660 milhões de pessoas, ou cerca de 10% da população mundial, não pode sequer abrir uma torneira. Água limpa é um bem inestimável para estas pessoas.

Mas também na Alemanha, o abastecimento de água limpa também é um tema preocupante, porque uma parte considerável da suas águas subterrâneas apresenta níveis crescentes de nitrato. De acordo com um relatório do Governo Federal Alemão publicado em 2016, foram medidos níveis de nitrato acima do permitido, de 50 miligramas de nitrato por litro, em 28% dos pontos de amostragem analisados na rede nacional de água. Em 2012, apenas 14% das amostras analisadas estavam acima do limite.

Por isso, as redes de água regionais têm sido obrigadas a fechar poços ou a perfurar cada vez mais fundo em busca de água limpa e fresca. Isso tem um alto custo.

Os agricultores e criadores de animais são frequentemente criticados por contaminar a água por produzir esterco em excesso e fertilizar as culturas com esterco rico em nitratos. Quando há de excesso de fertilização, o nitrato é lixiviado para o solo e contamina as águas subterrâneas e deságua em rios, lagos e, finalmente, no mar.

Mas de onde vem o nitrato? Assim como os seres humanos, os animais também precisam de nutrientes vitais, como carboidratos, gorduras e proteínas. As proteínas desempenham um papel fundamental: são os alicerces da vida. Um ser vivo só consegue crescer e se desenvolver bem se o fornecimento de proteína for adequado. No entanto, o excesso de proteína também pode ser prejudicial. Um alto teor de proteína não resulta necessariamente em maior crescimento muscular. Um animal só consegue utilizar a mesma quantidade de proteína que seu corpo precisa. O excesso de proteína é degradado em ureia, que é utilizada por microrganismos para produzir ureia. O esterco que contém este nitrato é então usado como fertilizante das lavouras. O nitrato e a ureia são componentes do chamado nitrogênio reativo.

Mas há uma alternativa? Há, sim. Na produção animal, a formulação moderna e sustentável de rações pode ajudar a proteger as águas subterrâneas e a atmosfera do excesso de nitrogênio. “Graças ao uso regular de aminoácidos na nutrição animal, é possível reduzir significativamente a produção de nitrogênio reativo”, diz o Dr. Reiner Beste, Presidente do Conselho de Administração da Evonik Nutrition & Care GmbH.

Se a ração for suplementada com aminoácidos essenciais, como metionina, lisina ou valina, a ração pode ser melhor adaptada às exigências nutricionais do animal. As aves precisam de mais metionina, por exemplo, enquanto que a lisina é especialmente importante para os suínos. Efeito destes aminoácidos: os nutrientes são melhor utilizados, os animais consomem menos proteína à medida que suas exigências balanceadas de aminoácidos são atendidas. 

Isso é bom não só para o balanço financeiro de uma empresa, mas também para o meio ambiente, porque há menor emissão de nitrogênio. Em todo o mundo, o uso dos nossos aminoácidos tem reduzido a emissão de nitrogênio reativo no ambiente em 900.000 toneladas por ano. Uma comparação: Na Alemanha, a agricultura usa 2.700.000 de toneladas de nitrogênio reativo como fertilizante por ano. “Embora possa parecer improvável à primeira vista, a nutrição animal é a solução para proteger nossas águas. O uso de aminoácidos e a redução do teor de proteína das rações nos permitem produzir alimentos para uma população mundial cada vez maior”, diz o Dr. Thomas Kaufmann, Chefe de Desenvolvimento Sustentável da Evonik Nutrition & Care.

Um projeto piloto na China comprovou isso na prática. Um dos maiores produtores de suínos e fabricante de rações da China, o Anyou Biotechnology Group Co., é pioneiro em nutrição animal sustentável. Em 2016, a empresa submeteu metade dos animais a uma “dieta”. Consomem menos proteína, mas ainda recebem todos os aminoácidos necessários para viver e crescer de forma saudável.

Esta dieta balanceada muda o seu metabolismo. Menos excesso de nitrogênio da ração é metabolizado e excretado. Com isso, os animais consomem menos água. Consequentemente, o consumo de água na agricultura e as emissões de nitrato diminuem.

Na estação experimental da Anyou, na província de Jinagsu, o consumo de água diminuiu em 12%, depois que o teor de proteína na ração foi reduzido em 3% – uma redução significativa. “Esses resultados iniciais são tão animadores que estamos estendendo a dieta de baixa proteína para todas as outras operações. A demanda de carne suína da China é significativa e queremos estar na vanguarda”, diz Hung Ping, fundador e diretor da Anyou.

Vale a pena investir tanto esforço para proteger a nossa água. Cerca de 97% dos recursos hídricos do mundo são água salgada e apenas 3% é água doce. A nossa água potável provém de apenas cerca de 1% dessa água doce. Uma pequena quantidade que é crucial para a saúde humana, animal e do nosso planeta.